domingo, 21 de setembro de 2014

Que é um CTG? - Editorial do Presidente

          As perguntas mais frequentes a que respondi nesses dias foram: o que é um CTG? Há racismo e homofobia nos CTGs? Respondi a elas durante 30 dias e, mesmo assim, parece que não foi suficiente, pois permanecem as dúvidas e são frequentes as manifestações que apontam o dedo para o Movimento Tradicionalista.

          Um Centro de Tradições Gaúchas é uma entidade civil, com quadro de associados e que se dedica ao resgate, à preservação e à divulgação das coisas tradicionais. Trata-se de um “clube” que possui regras claras e conhecidas por todos os seus associados. A Carta de Princípios (documento aprovado em 1961) é a referência para todos os CTGs, que, ao se federarem, criaram o MTG como órgão orientador, coordenador e fiscalizador.

          Para reconhecer o que pode e o que não pode ser realizado por um CTG associado ao MTG, basta responder afirmativamente à seguinte pergunta: essa é uma atividade tradicional? Quando a resposta for negativa, então o lugar não é o CTG. Ao dizer-se que o lugar disso ou daquilo não é o CTG não se está discriminando ou proibindo, simplesmente se está dizendo que aquilo não combina com os objetivos da sua existência.

          No CTG não se pergunta qual a cor, o credo religioso, o partido político, o time do coração, a preferência sexual ou a renda familiar. Nos CTGs há patrões e patroas, brancos, pardos e negros, ricos e pobres, heterossexuais e homossexuais. As exigências para todos são as mesmas: no galpão e nas atividades tradicionalistas é imperioso o cumprimento do estatuto e que as prendas e os peões se portem segundo seus gêneros.

          O Movimento Tradicionalista não interfere na vida privada das pessoas. Cada um escolhe onde quer trabalhar, o que vai estudar, em qual Deus acreditará e quem será seu parceiro.

           Essas regras são legais e combinadas entre cidadãos que voluntariamente participam das entidades tradicionalistas, portanto não cabe ao poder público interferir ou tentar impor qualquer padrão de comportamento diferente disso. No Estado, temos 1.654 entidades tradicionalistas ligadas ao MTG que merecem ser respeitadas, pois elas são respeitadoras. Atitudes isoladas devem ser tratadas como tal.

          As perguntas mais frequentes a que respondi nesses dias foram: o que é um CTG? Há racismo e homofobia nos CTGs? Respondi a elas durante 30 dias e, mesmo assim, parece que não foi suficiente, pois permanecem as dúvidas e são frequentes as manifestações que apontam o dedo para o Movimento Tradicionalista.

          Um Centro de Tradições Gaúchas é uma entidade civil, com quadro de associados e que se dedica ao resgate, à preservação e à divulgação das coisas tradicionais. Trata-se de um “clube” que possui regras claras e conhecidas por todos os seus associados. A Carta de Princípios (documento aprovado em 1961) é a referência para todos os CTGs, que, ao se federarem, criaram o MTG como órgão orientador, coordenador e fiscalizador.

          Para reconhecer o que pode e o que não pode ser realizado por um CTG associado ao MTG, basta responder afirmativamente à seguinte pergunta: essa é uma atividade tradicional? Quando a resposta for negativa, então o lugar não é o CTG. Ao dizer-se que o lugar disso ou daquilo não é o CTG não se está discriminando ou proibindo, simplesmente se está dizendo que aquilo não combina com os objetivos da sua existência.

          No CTG não se pergunta qual a cor, o credo religioso, o partido político, o time do coração, a preferência sexual ou a renda familiar. Nos CTGs há patrões e patroas, brancos, pardos e negros, ricos e pobres, heterossexuais e homossexuais. As exigências para todos são as mesmas: no galpão e nas atividades tradicionalistas é imperioso o cumprimento do estatuto e que as prendas e os peões se portem segundo seus gêneros.

          O Movimento Tradicionalista não interfere na vida privada das pessoas. Cada um escolhe onde quer trabalhar, o que vai estudar, em qual Deus acreditará e quem será seu parceiro.

          Essas regras são legais e combinadas entre cidadãos que voluntariamente participam das entidades tradicionalistas, portanto não cabe ao poder público interferir ou tentar impor qualquer padrão de comportamento diferente disso. No Estado, temos 1.654 entidades tradicionalistas ligadas ao MTG que merecem ser respeitadas, pois elas são respeitadoras. Atitudes isoladas devem ser tratadas como tal.

MANOELITO CARLOS SAVARIS
Presidente do MTG RS

Um comentário:

  1. Boa resposta, sem deixar qualquer sombra de dúvida!

    ResponderExcluir