domingo, 19 de fevereiro de 2017

Reunião em Rolante tratou de FECARS, ENART e FENART

            No ensolarado sábado, dia 18 de fevereiro, os Coordenadores Regionais foram até Rolante, cidade que sediará, em março, a Festa Campeira do RS, para a reunião ordinária e, ainda, envolvendo diretores artísticos, culturais, jurídicos, de esporte e campeiros.
             Já na abertura o presidente Nairo passou a pauta envolvendo as inter-regionais do ENART, a final, a FECARS, o Nacional, em Querencia, o tema do voluntariado, assuntos da secretaria de agricultura do estado, o novo sistema que será implantado (apresentado por Wilson Porto, de Brasilia) e da divisão das reuniões por setores.
             Mais de 200 pessoas estiveram presentes à produtiva reunião e seus desdobramentos por setores (departamentos).
            A reunião de Coordenadores Regional deliberou também que o  66º Congresso Tradicionalista Gaúcho será realizado nas terras da 2ª Região Tradicionalista, na cidade de São Jeronimo, em janeiro de 2018.
 Definidos locais das inter-regionais do Enart 2017

            As três etapas regionais do Encontro de Artes e Tradição, cuja final será realizada em Santa Cruz do Sul no mês de novembro, já têm locais e datas. A primeira etapa será em Santo Ângelo, nos dias 26 e 27 de agosto, na 3ª Região Tradicionalista. A segunda será realizada em Uruguaiana, no dia 30 de setembro, na 4ª Região Tradicionalista, e a terceira em Canoas, nos dias 21 e 22 de outubro, na 12ª Região Tradicionalista.
            Cada etapa, segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, reunirá dez regiões tradicionalistas e definirá os participantes da grande final. Os locais foram anunciados no sábado, dia 18 de fevereiro, em Rolante, quando o MTG realizou reunião com os coordenadores regionais e diretores artísticos, culturais, jurídicos, de esporte e campeiros.  (Sandra Veroneze/Ass.Imprensa)






segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Iniciados preparativos da 47ª Ciranda Cultural de Prendas

          O presidente do MTG, Nairo Callegaro, esteve na manhã de segunda-feira, 13 de fevereiro, em Bagé. O objetivo foi reunir-se com o prefeito Divaldo Lara e com o Secretário de Cultura, Fabiano Marion, para tratar da 47ª Ciranda Cultural de Prendas, que acontecerá no município nos dias 25 a 27 de maio. Também estiveram presentes a vice-presidente de Administração do MTG, Elenir Winck, a primeira prenda do Rio Grande do Sul, Roberta Jacinto, o coordenador da 18ª Região Tradicionalista, Gilberto Bittencourt Silveira.

           A Ciranda Cultural de Prendas é um dos eventos mais tradicionais do MTG e abrange as modalidades mirim, juvenil e adulta. Anualmente, escolhe dentre as candidatas aquelas que melhor representem as virtudes, a dignidade, a graça, a cultura, os dotes artísticos, a beleza, a desenvoltura e a expressão da mulher gaúcha. Segundo o presidente do MTG, um dos principais méritos do concurso é envolver as comunidades, desde a base, que é o CTG, para a preservação da cultura gaúcha, promovendo o sentimento de orgulho e pertença para o resto da vida.

           Para a escolha das prendas são realizadas avaliações de escrita, artística, oral, caracteres pessoais, mostra folclórica ou arte tradicional e relatório de atividades.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Extra!!! Extra!!! Saiu o Eco da Tradição de Fevereiro

Olhem ai, o Eco da Tradição de Fevereiro.. quentinho, saindo do forno....
Editorial do Presidente - Questionamentos e mudanças: É apenas o começo
Charla Campeira - Paixão Cortes desafia: O que é o Bitango?
Eco Entrevista - Bicampeão de Violino do ENART e Blogueira do Cantinho Gaúcho
Conheça o perfil dos Coordenadores Regionais
Superação - No Eco de Fevereiro a história de quem conseguiu superar a crise e fazer seu CTG crescer de novo. O que fez? Veja na página 17

CTGs como Patrimônio Cultural da Unesco

MTG e MinC organizam candidatura e apresentação

           O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairo Callegaro, e a vice-presidente de Administração e Finanças, Elenir Winck, receberam na tarde desta quinta-feira, 9 de fevereiro, o Secretário de Articulação e Desenvolvimento Institucional do Ministério da Cultura, Adão Cândido.
O encontro aconteceu na sede da instituição, em Porto Alegre, e teve como pauta a Declaração de interesse na candidatura dos Centros de Tradições Gaúchas ao Registro de Melhores Práticas, pra apresentação na Convenção da Unesco para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial.
“Estou convencido de que os CTG atuam como importantes núcleos de transmissão dos valores tradicionalistas gaúchos no Brasil e figuram como instrumentos essenciais para a salvaguarda das expressões que integram o conjunto de símbolos, práticas, rituais e manifestações artísticas associadas à identidade gaúcha”, afirmou Adão Cândido.

           Para o presidente do MTG, Nairo Callegaro, a iniciativa é de suma importância para chancelar o trabalho de resgate e preservação da cultura gaúcha desenvolvido de maneira organizada, enquanto movimento, há 50 anos e de maneira espontânea desde a década de 1940, quando oito jovens retiraram uma centelha da pira da Pátria, gerando a Chama Crioula, que até hoje é gerada anualmente, mantendo vivo o espírito de amor e orgulho por sermos gaúchos.

           Atualmente, encontram-se em funcionamento 2.835 CTGs, que se distribuem em todo o território nacional. Há, ainda, 12 CTG instalados fora do país (Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Israel, Paraguai e Portugal). Integrados a MTG, eles têm como principais objetivos norteadores da atuação preservar, promover e divulgar o tradicionalismo gaúcho, por meio de atividades esportivas, campeiras, sociais, assistenciais, culturais, artísticas e recreativas; promover a cultura, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico; a promoção gratuita da educação, observando-se a forma complementar da participação; a promoção do voluntariado; a promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais.

Editorial do Presidente - Questionamentos e mudanças: é apenas o começo

           Saímos do 65º Congresso Tradicionalista de Bento Gonçalves com algumas certezas e muitas dúvidas. As convicções ali formadas e reforçadas indicam uma direção que já vínhamos apontando durante o ano de 2016. Nada aconteceu por um acaso divino, mas sim como resultado de um trabalho capaz de despertar em todos os setores do Movimento a disponibilidade para questionar muitas situações estabelecidas e construídas há anos – situações estas que tolhem mudanças e ajustes necessários para melhorar o processo em torno do bem da coletividade.

            Por um instante tivemos a sensação de que saímos de um dos melhores congressos dos últimos anos, pois tivemos debates e participação de setores do Movimento que nunca estiveram em evento similar. Acredito que isto sinaliza quão grande foi o período que passamos sem exercitar verdadeiros debates, sem a possibilidade de efetivamente construir novos caminhos, novas alternativas. Isto nos leva ao diagnóstico de que precisamos urgentemente aprofundarmos várias questões com o objetivo de encontrarmos as soluções e minimizar os problemas enraizados.

            Todo o sistema mantido ao longo de muitos anos, por consequência, leva a alguma acomodação, com facilidades para alguns e dificuldades para outros. É neste contexto que entra o MTG com a condição de remodelar este sistema, encontrar um novo formato que permita novos horizontes. É natural que neste cenário surjam dúvidas. De que forma podemos romper com alguns modelos existentes e estabelecer um novo formato mais coletivo e que seja contemplativo a todos?
Voltar ao passado e fazer como fizemos no início jamais conseguiremos. Devemos ter a clareza e a capacidade de absorver as movimentações sociais e os anseios de uma sociedade que quer conhecer verdadeiramente a essência e os objetivos que norteiam o Movimento Tradicionalista Gaúcho. O momento é o mais adequado para que possamos iniciar estas mudanças, que eu chamaria de adequações a uma nova realidade social que vivemos.

             A sociedade está se reformulando, buscando um ponto de equilíbrio e tentando refazer uma estrutura esfacelada. Enganam-se aqueles que acreditam que o Movimento encontra-se desarticulado, aqueles que apostam em divisão, que apostam em falta de unidade e união. Alguns setores externos pensam desta forma, pequenos grupos imaginam esta situação, procuram desestabilizar, confundir interesses pessoais com projetos coletivos. Mas a verdade é que vivemos um momento de extrema importância, um momento de uma retomada de consciência onde todos perceberam a necessidade de realinharmos nossa caminhada. Todos os setores do Movimento, em todas as suas camadas, estão unidos e voltados a edificarmos esta nova obra.

            Vamos tirar muitos de sua zona de conforto, vamos desarticular interesses de pequenos grupos que circulam como satélites sem brilho à nossa volta. Temos a convicção que a verdadeira sociedade tradicionalista busca unidade e está forte neste realinhamento. Este é nosso grande propósito, sem medo, sem receios, sabendo que é difícil, mas convictos de que podemos e devemos fazer. Este é O momento, esta é a hora. Vamos juntos fazer esta grande retomada das rédeas do Movimento.

Força e luz a todos.

Nairo Callegaro
Presidente do MTG

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Estão abertas as inscrições par ao 30º Seminário Estadual de Prendas

           Estão abertas a partir de 06 de fevereiro a 25 de fevereiro, as inscrições para o 30º Seminário Estadual de Prendas a realizar-se no dia 04 de março de 2017, No CTG Piquete da Querência - São José do Ouro, 29ª RT.

As inscrições poderão ser realizadas através do link abaixo.
http://mtg.org.br/eventos/579

Programação:
EVENTO: 30º Seminário Estadual de Prendas
Temática: “A JUVENTUDE TRADICIONALISTA CANTA SEUS ÍCONES
Data: 04 de Março de 2017
Local: CTG Piquete da Querência – São José do Ouro/RS - 29ª RT
Endereço: Avenida Antônio Finco, 421

7:30:00hs – Café da manhã, recepção e confirmação de inscrições
9:00hs – Abertura oficial
9:30hs –  Teatro – “No Galpão”
10:15hs – Palestra: História da Musica Gaúcha - Palestrante: Vinicius Brum
12:00hs – Intervalo para o almoço
14h - Mesa redonda com diversos convidados.
15:00hs – Atividades Culturais 
17:30 – Encerramento do evento
- Inscrições pela internet junto ao site do MTG até 25 de fevereiro impreterivelmente
- Os certificados de prendas e peões serão entregues posteriormente.
- Não haverá inscrições no local."

domingo, 29 de janeiro de 2017

MTG inicia mudança na avaliação artística de eventos

          O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairo Callegaro, iniciou nesta semana os procedimentos para a realização de mudanças substanciais na avaliação artística de eventos realizados pela entidade e coordenadorias regionais. A iniciativa é embasada nas ponderações apresentadas e aprovadas durante o 65º Congresso Tradicionalista, realizado em janeiro em Bento Gonçalves, quando ficou evidenciada a necessidade urgente de promover o voluntariado e ‘desmercantilizar’ o tradicionalismo.


        O primeiro passo, segundo Callegaro, conta com o auxílio dos coordenadores regionais, aos quais foi solicitado, até o dia 18 de fevereiro, que indiquem quatro nomes ou mais, como suplentes, para a criação de equipes avaliadoras no âmbito das próprias coordenadorias. Segundo o vice-presidente artístico do MTG, José Roberto Fischborn, é necessário que os indicados conheçam dança e apresentem currículo. Além disso, os indicados não poderão estar instruindo grupos de dança, passarão por prova para atestar sua capacitação técnica; e passarão por processo preparatório para avaliar eventos de danças tradicionais nas regiões, como circuitos e rodeios. Os indicados, conforme aprovado no Congresso, atuarão como voluntários, recebendo apenas ajuda de custos, hospedagem e alimentação, sem cachê.

        Segundo o presidente do MTG, a equipe da entidade atuará na avaliação de eventos até março de 2017, nos moldes do ano de 2016, seguindo a NI01/2016 e, após, o treinamento das pessoas indicadas pelas coordenadorias, a equipe do MTG não mais avaliará eventos artísticos. Segundo Fischborn, este processo deverá durar aproximadamente seis meses e durante o período de preparação, juntos será debatido o formato de funcionamento das escalas para eventos. A equipe do MTG atuará somente nas avaliações dos eventos do próprio MTG e podendo atuar em algum festival que a instituição julgar necessário.