sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Texto corrigido da coreografia do CTG Lalau Miranda, de Passo Fundo

           Por um erro de diagramação, o texto da coreografia de entrada e retirada do CTG Lalau Miranda, de Passo Fundo, saiu errado no jornal especial do Enart. Estamos publicando o texto correto e pedindo desculpas ao CTG, sua patronagem e grupo adulto.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Enart – Maior evento de arte amador da América Latina será neste final de semana

Dezoito modalidades artísticas, dez palcos paralelos e mais de 4 mil competidores. Estes são alguns números do Enart – Encontro de Artes e Tradição, que acontece de 17 a 19 de novembro em Santa Cruz do Sul.

             Em sua 32ª edição, o evento é considerado o maior de arte amadora da América Latina e promete atrair um público superior a 40 mil expectadores. A realização é do Movimento Tradicionalista Gaúcho e da Fundação Cultural Gaúcha, com apoio da 5ª Região Tradicionalista e da GPSNET. Patrocinam o evento a Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Sul e Philip Morris, pelo Pró-Cultura RS, da Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Objetivo
             O evento tem por finalidade a preservação, valorização e divulgação das artes, da tradição, dos usos e costumes e da cultura popular do Rio Grande do Sul. É também objetivo do Enart valorizar o artista amador do Rio Grande do Sul e credenciar os vencedores do ENART, nas diversas modalidades a representarem o Estado nos eventos nacionais e internacionais.

              A solenidade de abertura acontece às 19h de sexta-feira, com apresentação especial do CTG Tiarayú, vencedor das danças tradicionais gaúchas na edição de 2016. Já na sexta-feira iniciam as competições de danças tradicionais. O grande vencedor deve ser revelado na noite de domingo. Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, a expectativa é grande para o evento, que deve ser um dos maiores da história. O vice-presidente artístico, José Roberto Fishborn, está otimista e garante que estão sendo cuidados todos os detalhes para fazer um grande evento.

Modalidades
             No total são 18 as modalidades competitivas: Danças tradicionais, Chula, Gaita Piano, Gaita de Botão até 8 Baixos, Gaita de Botão Mais de 8 Baixos, Gaita de boca, Bandoneon, Violino ou rabeca, Violão, Viola, Conjunto instrumental, Conjunto vocal, Intérprete solista vocal masculino e feminino, Trova galponeira, Trova Mi Maior de Gavetão, Trova de Martelo, Trova Estilo Gildo de Freitas, Declamação, Pajada, Declamação masculino e feminino, Causo e Danças gaúchas de salão.

Novidades
             Uma das novidades desta edição é a escolha de grupo de danças tradicionais mais popular por meio de aplicativo. A iniciativa dá continuidade ao processo de modernização do evento iniciado há dois anos, quando foi implantado o sistema de publicação, em telão, das notas dos grupos de danças tradicionais em tempo real.

18ª Mostra de Arte e Tradição Gaúcha
             Paralelamente ao Enart, no Parque da Oktoberfest, acontece a 18ª Mostra de Arte e Tradição Gaúcha, na tarde de sábado, dia 18. O evento tem como tema “Resgatando e Homenageando os Legados de 47 – Resgate da História da Chama Crioula em sua Região Tradicionalista”.
A Mostra apresentará as pesquisas e atividades culturais desenvolvidas pelas Prendas e Peões coordenados pelos Departamentos Culturais das trinta Regiões Tradicionalistas do MTG, sob a responsabilidade da Coordenação Cultural Interna do MTG, das Prendas e Peões Estaduais, com a participação efetiva dos Departamentos Culturais Regionais. 

Voluntariado
             A 32ª edição do Enart também marca a consolidação do modelo de voluntariado. Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, é expressivo o número de interessados em colaborar para a realização do evento. “São pessoas de todas as partes do Rio Grande do Sul que querem vestir essa camiseta”, comemora.

Ingressos
             Para adultos, o ingresso por acesso é de R$ 15,00 e a pulseira permanente, para acesso sexta, sábado e domingo, R$ 40,00. Para crianças de 10 a 12 anos, para idosos acima de 60 anos, e para estudantes com carteirinha, o valor do ingresso por acesso é R$ 7,00 e o permanente, R$ 20,00. Pessoas com deficiência, concorrentes credenciados, estudantes do ensino fundamental da rede pública de Santa Cruz do Sul credenciados, doadores de sangue de Santa Cruz do Sul credenciados no Hemovida são isentos.
              O valor do estacionamento é R$ 40,00 para automóvel, R$ 100,00 para ônibus e R$ 10,00 para motocicleta. Os condutores dos veículos e acompanhantes pagarão individualmente o valor do ingresso. No caso do ônibus que acessar o parque, o motorista que tiver a carteira de identificação da empresa de transporte estará isento do pagamento do acesso, limitado a dois motoristas. 

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Extra!!! Extra!!! Saiu o Eco da Tradição de novembro


Nota de instrução para passagem de palco e de som, no Enart

            O Departamento de Música do MTG, juntamente do a Vice Presidência Artística, orienta, mediante por esta Nota de Instrução, a forma como se procederá a passagem de palco e de som para a final do Encontro de Artes e Tradições Gaúchas – ENART – 2017:

1. A passagem de palco dos grupos e som serão realizadas nos dias 16/11 a partir das 8:30h até às 23h30, e no dia 17/11, das 8h00min às 12h, nos Palcos das Danças A e B, para grupos de danças e musicais dos grupos de dança classificados para a final do ENART 2017, nas respectivas categorias;

2. A ordem de passagem de som respeitará a ordem do Agendamento realizado pelo site http://artistico.mtg.org.br, pelo tempo MÁXIMO DE 20 (vinte) MINUTOS; Os participantes não poderão reservar mais de um Horário, sob pena de perder o agendamento dos dois horários, ficando os mesmo liberados novamente, assim que conferido pela organização;

3. O não comparecimento no horário agendado determinará a desistência da passagem de som e de palco antecipada, o mesmo perderá a agenda, não podendo recuperar no final após as passagens ou ocupar o horário de outro faltante. Contudo, será mantido o tempo regulamentar de 05 minutos antes da apresentação da entidade a qual representam, aos que passarem o palco e o Som, o tempo de preparo para a apresentação será de 03 minutos ao invés de 05 minutos;

4. Caso não estejam presentes TODOS os integrantes do grupo musical no horário designado para a entidade, poderão os integrantes presenciais realizar a passagem de som da mesma forma, utilizando todo o tempo que lhes é permitido, porem não terão direito aos 05 minutos no dia da apresentação, terão apenas 03 minutos, que é o tempo de plugagem e ajuste técnicos de carga do perfil de configuração do grupo. O Grupo de danças que não estiver com seu musical ou no mínimo 60% do mesmo (3 componentes) não poderá realizar a passagem de palco. Sendo adiantado os demais agendamentos de horários;

5. Somente será permitido o acesso a passagem de som os músicos do grupo musical devidamente credenciados a força, conforme planilha do site do MTG como tal pela entidade a qual representam, os mesários e auxiliares da empresa de sonorização contratada e os integrantes do Movimento Tradicionalista Gaúcho responsáveis pelo acompanhamento, sendo VETADO EVENTUAIS ASSESSORAMENTOS OU PRODUTORES NÃO DESCRITOS entre estes;

6. Quando o grupo musical tocar para mais de uma entidade e OPTAR realizar a passagem de som somente uma vez, isso lhe será permitido, desde que mantenha a mesma posição na ilha de sonorização, porém os demais grupos de danças perderão o direito de passagem de palco;

7. Em caso de desrespeito as normas e cronograma aqui estabelecidos, o grupo musical e o grupo de danças, PERDERÃO O DIREITO A PASSAGEM DE SOM QUANDO VERIFICADA A IRREGULARIDADE, sem prejuízo de eventuais punições de cunho administrativo e ético;

8. O Agendamento estará disponível no endereço http://www.artistico.mtg.org.br a partir das 19h do dia 09/11, pelo botão abaixo neste aviso!;

9. Eventuais casos omissos serão resolvidos pela equipe do Departamento de Música e Vice Presidência Artística.

Porto Alegre, Novembro de 2017

MURILO ANDRADE 
DIRETOR DEPARTAMENTO MÚSICA

 JOSÉ ROBERTO FISCHBORN
 VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO MTG

Fonte: MTG

domingo, 12 de novembro de 2017

Vem ai o 13º Encontro Tradicionalista Cristão

XIIIº ENCONTRO TRADICIONALISTA CRISTÃO

A Comissão Organizadora convida os Senhores Bispos, Sacerdotes, Diáconos, Seminaristas, Leigos, Leigas e Tradicionalistas Gaúchos em geral para bolearem a perna no  13º Encontro Tradicionalista Cristão, em comemoração dos 50 anos da aprovação da nossa Missa Crioula por Dom Vicente Alfredo Scherer.

Dia: 15 de novembro de 2017
Local: Seminário Maior Imaculada Conceição
  Avenida Senador Salgado Filho, nº 7.100 - Viamão  

Programa:
Das 8:00 às 9:00h – Abrindo a porteira para acolhida
09:00 – Momento Cultural
10:15h – Intervalo 
10:30h - Missa Crioula
12:00h – Almoço de confraternização 
13:30h – Avaliação da caminhada e outras providências
14:00h – Passeio turístico em Viamão e “fechando a porteira” do Encontro na Histórica igreja de Nossa Senhora da Conceição de Viamão.

Recados: 1. Confirmar presença até o dia 10 de novembro, com o Seminarista Mateus Batisti pelo celular e Wathsapp: 51.991.527.834 com o Pe. Canellas e-mail: padrecanellas@yahoo.com.br ou celular: 51-982.986.717
     2. Para quem precisar chegar na véspera há hotéis e casas religiosas com reserva. 
     3. A comissão ainda pede a gentileza de divulgar este convite o mais possível.

     Com as graças do Patrão Celeste, o Amor do Divino Tropeiro, as luzes do Vaqueano Espírito Santo e a intercessão da Primeira Prenda do Céu e da Terra teremos um Encontro macanudo. 
Um forte quebra-costela a todos.



Pe. Amadeu Gomes Canellas
Pela Comissão Organizadora

Editorial do presidente - Dividir para dominar? Ou agregar para fortalecer?

            Em nossa caminhada nesta vida percebemos ou deveríamos perceber o quanto é importante buscar o conhecimento nas relações pessoais e dentro desta sociedade. Acontecimentos diariamente ou em determinados períodos nos fazem refletir, nos aperceber do quanto a vida nos ensina, através de muitos exemplos e caminhos.

            Estes momentos servem para reformulações, aperfeiçoamento e fortalecimento de muitas convicções. Muitas decisões são solidificadas com base nestes momentos. Percebemos que, muitas vezes e indevidamente, potencializamos acontecimentos e vontades meramente individualistas.
Buscarmos o conhecimento e aprimorarmos estas relações às vezes pode nos colocar em cheque, em dúvida para muitos. A afirmação, atribuída à psicanalista austríaca Melaine Klein, de que “Quem come o fruto do conhecimento é sempre expulso de um paraíso”, é verdadeira.

            Por isso mesmo, em alguns momentos desta caminhada, pensar é uma atividade perigosa e arriscada. Tomar posições pode desagradar e retirar as pessoas da famosa “zona de conforto”. Discordar não se encaixa em uma realidade de crescimento coletivo, mas sim de uma disputa de ego e poder.

            Transformamos o conhecimento que deveria ser compartilhado com o único objetivo de unidade dos grupos em mecanismo de poder e submissão, às vezes de medo. Involuntariamente ou de forma planejada agimos desta forma, transformando um bem intelectual em algo dominador e excludente.

             Faço estas colocações e trago à luz de nossos dias porque muitas vezes vemos as situações exemplificadas acima dentro do nosso Movimento. De que forma poderíamos ser mais agregadores, mais acolhedores, tornarmos mais humanos em todo este processo?

             Devemos fazer do conhecimento uma forma de pensarmos, de modelarmos nossas atitudes, de abrirmos novas portas, novas possibilidades, oportunidades, de fazermos diferente e melhor.
Pensarmos e abrirmos nossas mentes permite sermos capazes de expressarmos as nossas qualidades individuais, produzindo efeitos de crescimento coletivo. Estas reflexões direcionam para uma mudança de comportamento, que, penso, estejamos vivendo neste momento em nosso movimento.

              Não podemos fazer de pequenos movimentos como norteadores de nossa caminhada. A amplitude de nossos pensamentos vai conduzir à amplitude de nossas atitudes, desta mudança na construção de conceitos verdadeiros que nos representem de uma forma horizontal e verdadeira.

             Esta pequena reflexão vem ao encontro de tudo que tentamos incansavelmente fazer ser entendido por todos: é possível mudar. Difícil é  e será sempre, mas não é impossível. Deixo a todos fazerem suas conclusões. E que venha nosso maior festival o Enart, que possamos todos juntos conviver em harmonia e muita paz.

             Sucesso a todos. Abraços.

Nairo Callegaro
Presidente do MTG

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS PARA DANÇAS TRADICIONAIS - 2017

           A equipe técnica da área de danças tradicionais do Enart divulgou algumas considerações acerca de Correção Coreográfica, Interpretação Artística e Harmonia de Conjunto, para orientar os dançarinos. 

Correção Coreográfica - ENART 2017

ANÚ
- Posição inicial é em fila, podendo ser um tanto encurvada, desta forma, a formação inicial em meia lua, caracterizará erro coreográfico.
- Durante a 1ª parte do canto e sua repetição, sempre que possível, de acordo com o espaço físico, deverá ser realizado os passos para frente.
- Não será necessário posicionar-se para o reinício da dança, ao “som” da melodia introdutória e sim na melodia introdutória como descreve o início da dança, podendo assim, usar a pausa musical que faz parte da melodia.
- Na 8ª Figura, a premissa básica é que ambos precisam alcançar a sua mão, para tanto deverão respeitar o tempo correspondente para tal, não podendo o peão ou a prenda, concluir o movimento de extensão do braço antes deste tempo.

BALAIO
- 1ª Figura deve ser iniciada mais ou menos onde realizou o giro saudação.
- 2ª Figura - juntar complementar do pé - no 2º tempo do 16º compasso desde que não inicie o próximo sarandeio e sapateio no “Ba”.
- 2ª Figura - o 1º tempo do 16º compasso deve ser uma flexão acentuada dos joelhos pelas prendas.

CANA VERDE
- 1ª Figura deve ser iniciada mais ou menos onde realizou o giro saudação.

CARANGUEJO
- 1ª Figura – as mãos unidas as costas pelos peões e tomada da saia pelas prendas é somente para as três marcações, podendo soltá-las simultaneamente ao retorno do pé lado a lado.
- 2ª figura – a 1ª castanhola pode ser realizada até a conclusão do 1º passo de juntar lateral.

CHICO SAPATEADO
- Posição inicial – não poderá ser caracterizado dependência dos pares para formar a dança.
- 2ª figura – será considerado como perda da relativa simultaneidade caso o peão interrompa seu sapateio em giro, por mais de um compasso em relação aos 4 compassos do giro das prendas.

CHIMARRITA
- Não será cobrado a descaracterização das fileiras de peões e prendas, na 2ª figura, pelo fato de se posicionarem intercaladas as fileiras de um grupo e outro de pares, ao se cruzarem na evolução da dança, porém não poderão caracterizar fileiras mistas de peões e prendas quando estiverem realizando movimentos no mesmo lugar. Por exemplo: na posição inicial e no momento das marcações de passos de polca da 2ª figura.

CHIMARRITA BALÃO:
- Posição inicial – não poderá ser caracterizado dependência dos pares para formar a dança.
- 2ª figura – será cobrado conforme descrição, o tempo de início e finalização dos giros dos peões, além da ação contínua do giro deste sapateio.

CHOTE CARREIRINHO:
- Posição inicial – não poderá ser caracterizado dependência dos pares para formar a dança.

CHOTE DE 7 VOLTAS:
- Posição inicial – não poderá ser caracterizado dependência dos pares para formar a dança.

CHOTE DE DUAS DAMAS:
- Na página 130, imediatamente após o desenho de um exemplo de realização da “figura do oito” deve ser acrescido de uma Nota para a repetição da Figura Fundamental.
- As prendas tem até a conclusão do 2º passo de marcha da 1ª, 2ª, 3ª e 4ª figuras, para tomar da saia com a mão que está livre.

CHOTE DE QUATRO PASSI:
- Entre a 3ª e 4ª figura, se optar em realizar um passo, que o mesmo caracterize um afastamento dos pares, ou seja, diagonal ou para trás.
- 1ª Figura - passo de retorno do passo de polca, deve ser para frente, igual ao descritivo da ida.

CHOTE INGLÊS
- 1ª Figura – para reinício da mesma, poderá ser realizada a tomada de mãos simultâneo ao 1º movimento do 1º passo de juntar, no caso de não realizarem um afastamento mediante a 1 passo de juntar descrito na Nota 1, página 148. Porém os passos de juntar deverão ser realizados lateralmente, sendo que diagonal para trás, caracterizará erro coreográfico.
- Na primeira e terceira figuras as conclusões dos cumprimentos poderão ser realizados simultâneo ao movimento subsequente.

HAVANEIRA MARCADA
- Posição inicial – não poderá ser caracterizado dependência dos pares para formar a dança.

MEIA CANHA
- Os pares não poderão formar outras posições geométricas antes de formarem a roda do início da coreografia mais usual e quando formada a roda de mãos dadas conforme descrição, a roda deve girar.
- Nota 2 - as variantes, quando executadas, devem manter as características desta dança, além de manter a formação de rodas concêntricas.
- Após o verso da prenda, todos os pares da roda devem dar as mãos para fazer a roda girar e somente depois que girar, poderá ser aberto o espaço para o par do centro voltar para roda.
- Variantes: os pares dançam ao som da Polca, ou seja, não pode dançar sem música e não pode alguns pares estarem dançando e outros parados.

PEZINHO
- A flexão da 3ª figura, deve ser mais acentuada em relação a flexão da 1ª figura.

QUEROMANA
- Posição inicial é em fila, podendo ser um tanto encurvada, desta forma, a formação inicial em meia lua, caracterizará erro coreográfico.
- 1ª Figura e repetição da mesma, sempre que houver espaço físico, os passos devem ser realizados para frente.
- 2ª Figura – será cobrada a mudança de formação da figura, caso inicie em fila e mude para curva ou vice versa.
- 2ª Figura – a acentuação deve ser de todos os movimentos e de forma a demonstrar uma intensidade na figura do “bate pé”.

ROSEIRA
- 1ª Figura - só será aceito um passo de juntar no meio do passeio se for para realizar um cumprimento ou reverência à prenda em função da característica do ciclo desta figura.
- 2ª Figura – o tempo musical para início dos passos de polca do valsado é o 9º compasso.
- 3ª Figura – será cobrado os tempos de início e fim do giro das prendas.

SARRABALHO:
- Não será cobrado a descaracterização das fileiras de peões e prendas, nas 1ª e 3ª figuras, pelo fato de se posicionarem intercaladas as fileiras de um grupo e outro de pares, ao se cruzarem na evolução da dança, porém não poderão caracterizar fileiras mistas de peões e prendas quando estiverem realizando movimentos no mesmo lugar. Por exemplo: na posição da 2ª figura.
- A descrição contida na Primeira Figura (página 217, 5º § na 3ª linha e na Terceira Figura página 219, 5ª linha) referente aos cumprimentos descritos, onde se lê: “cumprimentando-se”,
leia-se “Iniciando o cumprimento. ”

TATU COM VOLTA NO MEIO:
- 1ª Figura – os peões iniciam o sapateio no mesmo tempo descrito para o sarandeio das prendas.
- Para finalizar as variantes enlaçadas, só poderá ser realizado um passo de juntar complementar após o último passo e/ou salto de polca, não podendo realizar um afastamento mediante a um passo de juntar (2 movimentos) ou um passo de marcha.
- 2ª figura – será cobrado os tempos de início e fim dos giros das prendas.

TIRANA DO LENÇO:
- Posição inicial – não poderá ser caracterizado dependência dos pares para formar a dança.
- 3ª Figura – tal qual a primeira figura, os sapateios e sarandeios interrompidos deverão ser realizados mais ou menos na mesma posição que início a figura.

Interpretação Artística - ENART 2017

            A orientação dada pela equipe de interpretação artística, é que os grupos dancem de forma tradicional e simples, com cordialidade e respeito a mulher.

            Ressaltamos que a interpretação aborda alguns sentidos primordiais do ser humano, e através de diferentes expressões faciais e corporais é possível perceber as emoções que estão sendo vividas e /ou transmitidas.

            Sugerimos que os grupos mantenham a autenticidade e originalidade contidas nas danças, caso algum grupo opte por modificar ou estilizar algum movimento poderá ser penalizado.

Balaio
1ª figura – o deslocamento da roda no sentido anti-horário, as prendas devem iniciar o deslocamento pela sua esquerda para assim manter a tradicionalidade.
Assim como os passos de marcha desta mesma figura, devem ser realizados da forma mais simples, não podendo cruzar os pés ora pela frente ora por trás.
2ª figura – A flexão acentuada dos joelhos das prendas, ao final do sarandeio, deverá ser realizado para evidenciar o embolsar da saia. (PAG.75).

Meia canha
As quadrinhas, devem ser constituídas de 4 versos (linhas), cada uma constituída de 7 silabas poéticas), rimados normalmente o 2º com o 4º verso.

Pau de fitas
Atentar para o andamento musical, não descaracterize o ciclo coreográfico.

Pezinho
A flexão dos joelhos, na 3ª figura, deverá ser mais acentuada do que a da 1ª figura.

Quero mana
2ª figura – Tradicionalmente os passos de polca são realizados de maneira firme ao solo, caracterizando mais ou menos um “Bate Pé”

Levante
O levante deve contemplar o ciclo do fandango ou das danças hibridas.

Harmonia de Conjunto - ENART 2017

            A Equipe Técnica de Avaliação do Enart 2017, entende que as propostas apresentadas pelos grupos, devem ser feitas da maneira clara e objetiva, primando sempre pelo conceito básico e clássico de harmonia o qual se relaciona a ideia de beleza, proporção, posição e ordem.

            Entendemos ainda que dança pode ter ou pertencer a vários ciclos, mas o que induz e a representa, é o conjunto de movimentos acompanhados por uma música (melodia), sendo assim para a modalidade de danças tradicionais é o que fará tornar a dança bonita e agradável aos olhos de quem vê.